MENU

Depoimentos

Flavia, médica, 35 anos

Por que resolvi fazer uma consultoria de moda?

No início, esperneei e tentei me refugiar na Filosofia tentando descobrir se era ou não “ético” ser julgada (ora absolvida, ora condenada) pela aparência. Já era! O inconsciente captou e julgou enquanto o ego fazia pirraça… Então achei mais sensato usar a aparência a meu favor e melhorar o tal “capital erótico”.

Comecei a ler as tradicionais “dicas para se vestir”: “disfarçar o quadril”, “disfarçar a barriga”, “disfarçar as coxas grossas”, “disfarçar o pescoço”…  Aff! Melhor colocar logo uma burca! Pensando bem, fazer uma consultoria de moda vai ser mais divertido! (e mais fresquinho que usar uma burca…)

Não sou magra, nem loira… Não tenho olhos claros, tampouco cabelos lisos…  E não tenho 20 anos de idade! Mesmo com toda a falta de imaginação dos criadores e mantenedores do tal “padrão de beleza”, resolvi me aceitar como sou e exercitar todos os meus talentos. Beleza é um deles!

Eu mereço ser bela! Quando a natureza não ajuda, as habilidades da consultora de moda o fazem. É mais desafiador vestir elegantemente uma mulher “carnuda” do que uma top model! Outro detalhe: mulheres grandes, por ocuparem mais espaço no mundo (literalmente), devem zelar pela qualidade desse espaço: beleza sim! Bom gosto e estilo em grandes proporções!

Eu mereço me cuidar! Todas as pessoas merecem, mas tenho um agravante: sou médica e professora de medicina. Levanto a bandeira do autocuidado para os pacientes e alunos. Nada mais justo que eu dar o exemplo: em tempos de doenças do corpo e da alma, mostrar que é possível cultivar a beleza, a delicadeza e a harmonia todos os dias.

Eu mereço me vestir com sofisticação! Algumas mulheres pensam que, por não terem o corpo que sonharam, podem se vestir com “qualquer coisa”. Nããão! Repito: o que a natureza não fez, uma roupa bem escolhida fará!

Eu mereço ser amada! Por mim mesma e pelos outros. Claro que o autoconhecimento, a autoaceitação e o amor-próprio não são etapas definitivas na vida: acho que se assemelham a uma eterna “casca de cebola”, que vamos pacientemente explorando camada a camada…

Eu mereço ser feliz! A minha felicidade tem a ver com manifestar o máximo possível da essência no dia-a-dia. Por isso, o espaço que eu ocupo tem que me representar. Qual o espaço mais evidente para a alma se expressar do que o corpo?

Por que busquei A consultoria de moda da Juliana Cordeiro do “Sem Espartilhos”?

Escolhi cuidadosamente uma pessoa que eu admirasse profundamente e em quem eu pudesse confiar. Encarei a consultoria como um processo terapêutico e a escolha do terapeuta é extremamente pessoal.

Há mais de um ano, descobri o Sem Espartilhos através de outro blog (o Sobre a Vida) e achei sua proposta bem interessante: a primeira frase já remete ao autoconhecimento e à reflexão. Escolhi a Juliana pela elegância e pelas roupas descomplicadas. Mais ainda, escolhi a Juliana porque ela lança um olhar amoroso sobre nós mulheres e nos inspira o aprimoramento da nossa autoestima. Com conhecimento, a roupa passa a expressar de forma inequívoca quem somos e o que queremos. Aí a moda vira uma dança envolvente e libertadora.

Detalhe: a Juliana (muito aventureira) se dispôs a viajar por quatro horas a partir do aeroporto de Confins até chegar a Viçosa-MG.

Como foi durante a consultoria?

A consultoria coincidiu com meu período de férias e isso fez toda a diferença na minha dedicação ao processo. Senti medo da mudança, mas ansiava tanto por ela que a incorporei apesar de todos os receios. Meu armário era bem organizado e enxuto. Mesmo assim saiu muita coisa! Não senti dor na hora de tirar as peças do armário. A expectativa é sempre pior que o fato. No fundo eu pensei: “para cada peça que sai, entrará uma que tem mais a ver comigo”.

As compras: confesso que subestimei esta etapa. Nunca fui de comprar muita coisa de uma vez… E não imaginei que fosse encontrar em tão pouco tempo tantas peças lindas que me vestissem maravilhosamente bem! Agora sei comprar com mais critério (corte, caimento e acabamento) e estou mais atenta às possibilidades de combinações entre as peças.

E depois?

Fiquei mais elegante, sofisticada e confiante. Encontrei meu estilo: diva! Estou mais generosa comigo mesma e me cuido cada vez mais (até na alimentação!).

Como não existe fronteira corpo-mente-alma, uma vez aprendidas, as possibilidades do vestuário se manifestarão em todos os aspectos da vida.

O maior ganho fluiu junto: a amizade da Juliana (Ju)!!! Toda a minha gratidão a ela, que entrou na minha vida como profissional talentosa e cá permaneceu como pessoa maravilhosa.

Queridas leitoras do Sem Espartilhos, não esperem pelas circunstâncias “favoráveis” (muito menos pelas “ideais”): felicidade A-G-O-R-A! Nós todas merecemos.

Beijos!

 Michele, empresária, 32 anos

“Bem, me nome é Michele e tenho 33 anos. Meu guarda-roupas se resumia basicamente à jeans super justos, cheios de brilhos, apetrechos e regatas lisas e coloridas. As roupas de sair? Vestidos hiper justos e curtos, todos pretos.

Eu já não tinha vontade alguma de abrir o guardar-roupas pela manhã, só de pensar , era um desânimo. Sair à noite, então, era terrível. Eu sofria antecipadamente cada vez que pensava no que iria vestir. Comprar roupas, era uma chatice e quando gostava de algo, levava 3 ou 4 peças iguais, só mudava a cor.

O ponto crucial era também que eu me vestia igual à uma menina adolescente. Quis à todo custo parecer mais jovem e resistia à idéia de me vestir como uma mulher, por medo de parecer velha.

Por vontade de mudar isto e com um pouco de receio no que iria acontecer, resolvi fazer a consultoria. Tive dúvidas se não seria um desperdício de dinheiro. Mas, com coragem , decidi arriscar, porque pior do que eu estava, não podia ficar.

Eu me sentia sem identidade. Quando começamos a fazer as compras, me senti perdida, percebi que não tinha um estilo e nem sequer sabia do que gostava. Mas ter a Ju me ajudando foi incrível. Ela foi me ensinando as melhores roupas para o meu tipo físico. Me ensinou truques pra parecer mais alta, mais magra e ficar muito chique.

A Ju me mostrou várias lojas diferentes que eu não conhecia, estilos diversos, tecidos mais finos. Foi como se abrisse um novo mundo a minha frente.

Hoje, eu tenho um guarda-roupas com 100% de peças que posso usar. Calculo que conseguimos fazer cerca de 130 combinações de roupas diferentes.

Me sinto pronta pra qualquer ocasião, o dia inteiro. Tenho recebido muitos elogios, que estou sempre chique! Me sinto elegante. Até o jeito com que me tratam mudou. Sou mais respeitada.

Eu nunca conseguiria mudar deste jeito tão rápido em tão pouco tempo sem a ajuda da Ju. Ela respeitou a todo momento os meus gostos, não me impôs a comprar nada do que eu não gostaria, exceto a estampa de onça (kkk) que devo confessar que ela na verdade me convenceu a comprar e que hoje não me arrependo. Amo o meu cinto de oncinha, super chique! Isto fez toda a diferença. Me senti respeitada e com toda a liberdade pra dizer se gostava de uma peça ou outra.

Eu aprendi realmente a usar as roupas adequadamente ao meu tipo físico. E que menos é mais. E hoje, tenho comprado aos poucos, e só compro o que realmente combina com o que tenho no guarda-roupa. Só compro peças que possam fazer várias combinações. Entendi também que uma peça bem comprada não é o valor que se paga nela, mas o quanto você irá usá-la!

Estou super feliz, radiante com minhas roupas. Recuperei muito da minha auto-estima!

Recomendo e muito a fazerem consultoria de moda, seja qual for a necessidade de cada pessoa. Cada centavo gasto realmente valeu muito a pena e obtive este resultado maravilhoso ao final.

Obrigada Ju, pela paciência e eficiência. O seu amor pelo o que faz, transparence em todo o seu trabalho, é realmente estimulante perceber o seu empenho e boa vontade durante toda a consultoria.”

Advogada, 35 anos

“Decidi contratar os serviços da Jú, de consultoria de moda, numa fase super atribulada da minha vida… Em meio a diversas mudanças internas, entre episódios que me fizeram crescer e amadurecer “na marra”, eu sentia que meu guarda-roupa já não acompanhava mais a pessoa que eu havia me tornado…É como se eu tivesse amadurecido, me tornado adulta, e meu armário não, eu continuava com aquelas roupas de adolescente, de balada, coisas que já não condiziam mais com o meu momento de vida atual, nem como o meu corpo…
Começamos a consultoria com a limpeza do meu armário…Provei peça por peça do meu guarda-roupa e tiramos muuuuuuitas coisas… Apesar de super cansativo e estressante, esse “desapego” de coisas que eu já não precisava mais, me fez muito bem, senti como se eu tivesse tirado “um peso das minhas costas”… Depois da limpeza, fomos às compras, adquiri peças-chave que têm muito mais a ver com quem eu sou hj, mais fina, elegante… Depois, a Jú me ensinou a montar os looks, basicamente a pensar mais em como combinar as coisas, ousar um pouco mais e tentar combinar uma coisa com a outra que eu jamais pensaria antes, ou por preguiça, ou até por não encontrar as coisas no meu armário, que como estava “abarrotado”, me dificultava muito achar alguma peça… Chegamos ao cúmulo de encontrar várias peças iguais ou parecidas no meu armário, ou seja, como eu não encontrava nada, mal sabia o que tinha, esquecia o que comprava e adquiria algo igual, por achar que eu estava precisando…
Vejo que isso tudo me ajudou muito, não só pelo fato de eu me sentir mais segura na hora de me vestir e por perder menos tempo a cada momento de escolher a roupa, mas também porque, com tudo mais organizado, tenho a sensação de que todo o resto ao meu redor passou a ficar mais organizado tb… É como se depois dessa arrumação, que começou pelo meu armário, todos os outros ramos da minha vida passassem a se organizar melhor em paralelo, aflorou em mim esse lado de querer organizar a minha vida melhor…
Enfim, só tenho a agradecer a Jú, que além de uma fofa, me ajudou bastante, e recomendar a consultoria pras meninas que, assim como eu, precisam de um “empurrãozinho” pra se desapegar das coisas e organizar melhor a vida…Não se trata de supérfluo não, pra mim, valeu super a pena em todos os aspectos!!!!”

Economista, 30 anos

“Doeu um pouco admitir que eu precisava de ajuda para me vestir.

Afinal, deveria ser óbvio: todo mundo se veste todos os dias, com as suas roupas que chegaram ao seu armário por escolha própria. Fácil, né?
Bom, todo mundo também sabe que fast food faz mal – e ainda assim, muitos de nós precisam de uma nutricionista para validar esta informação e orientar quanto à alimentação mais adequada de acordo com nosso biotipo, nossa rotina, nossos gostos. Você é o que você veste, o que você come, a maneira como você trata o porteiro. Mas nem todo mundo tem essa identidade esclarecida; neste caso, um bom caminho é procurar ajuda. 
 
A consultoria de moda ainda tem a reputação de ‘supérflua’ –  a mera menção de ter lido sobre consultoria num blog e me interessado pela ideia gerou as críticas clássicas: ‘mas tu vai gastar dinheiro com isso? Escolhe uma amiga que entenda de moda e faz compras com ela’. Hmmm… não tão fácil, para mim. Imaginem se eu tivesse que explicar para estas pessoas que eu chamei alguém lá de São Paulo para me orientar a me desfazer de mais da metade do meu armário?! 
 
Bom, mas vamos à consultoria: eu tinha um problema bem claro de ousadia e confiança na minha feminilidade. Um guarda-roupa super básico (mas cheio), vários brincos, anéis e pulseiras à disposição, mas usava todos os dias (há dois anos!) o mesmo par de brincos!
 
Doei mais da metade das minhas roupas. Não cheguei a ficar surpresa, nem muito angustiada, porque eu sabia que a Ju só estava me ajudando a fazer algo que eu queria fazer há tempos, mas não tinha coragem. Ao contrário das pessoas que guardam roupas para ‘ocasiões especiais’, eu guardava roupas para ‘emergências’: aquelas que já saíram há anos da pilha das preferidas, mas ficam ali, caso um dia eu não tenha o que vestir e precise delas. É claro que este dia nunca chega. Aliás, agora que meu armário está super reduzido, eu já repeti roupas e ainda não usei todas as que restaram. Não adianta: sempre tem aquela roupa que te deixa mais linda/confiante/atraente; você não vai mais usar aquelas que não usou nos últimos dois anos.
 
Com a Ju eu descobri que, no fundo, eu sabia o que ficava melhor em mim. Mas eu não ousava arriscar. Vi que a maioria das roupas que eu comprei recentemente permaneceu no armário. Foram embora as mais antigas, que já tinham uma conotação de lembrança, e aquelas que eu tinha ganhado de presente. Os calçados eram outro drama: eu tinha várias opções, mas usava all star até para trabalhar. Descobri sapatilhas bonitas e confortáveis que estavam no meu armário há anos, lá no cantinho, esquecidas. A mesma coisa acontecia com os acessórios: estavam ali, prontos para me deixar mais feminina, mas eu não usava, em nome da praticidade [leia-se insegurança/medo/outros dramas].
 
Nunca me interessei por moda e a Ju me ajudou a comprar roupas que, até então, eu não teria a ousadia de comprar sozinha. Já faz um mês, e eu ainda recebo elogios quase todos os dias, além de me sentir muito mais confiante – mesmo naqueles dias em que eu saio só com roupas e acessórios ‘velhos’ (aqueles do fundo do armário), mas bem combinados.
 
Cada um tem dificuldades diferentes, tipos físicos diferentes, objetivos distintos ao pensar em uma consultoria de moda. A Ju tem todo o conhecimento técnico do assunto para nos auxiliar, além da simpatia, que deixa todo o processo mais leve e agradável. Recomendo!”

Patrícia, 30 anos

“Bom dia Ju, tudo bem?

Quero agradecer pela tarde maravilhosa, pela atenção, pelo cuidado
com as minhas questões, pelo respeito com as minhas coisas, enfim!! Mais
que uma consultoria, uma conversa, uma transmissão de conhecimento, uma
tarde de amigas!!

Confesso que achava que em 1 hora você resolvia meu guarda-roupa,
afinal ele é bem compacto e por essa razão que eu só usava os
“conjuntinhos”!

Quanta coisa legal foi aparecendo e meus olhos de abriram para tantas
possibilidades! Notei que muitas peças chaves faltam ainda e quero sim os
desafios que você me propôs!!

Os looks que fotografamos ficaram incríveis e hoje já estou com um
deles, Jú obrigada mesmo e senti o carinho com que você desenvolve o seu
trabalho, já tinha indicado antes de acontecer agora então!!!

Beijos